O desafio da inovação/renovação

Posted By on Sep 22, 2012


O desenvolvimento da sociedade da tecnologia e da informação está colocando desafios não previstos anos atrás para a educação e aprendizado. Somos hoje confrontados com uma nova geração de alunos que terão de conviver com as novas tecnologias.

O mundo atual impõe aos professores, crianças e jovens a tarefa de absorver as novas tecnologias de forma quase que obrigatória. Sem estas, qualquer atividade profissional futura e até mesmo a vida cotidiana se tornarão inviáveis. É um grande desafio para os professores, a maioria deles imigrantes digitais, para as escolas e para os diretores, prover formas que possibilitem modelos de aprendizagem comprometidas com a inovação e a educação. Ensinar hoje, num mundo conectado e globalizado, envolve a capacidade de utilização dos recursos infindáveis da informática e aparatos tecnológicos (sejam eles softwares, teclados, multi efeitos) que compõem uma revolução cultural tão transformadora quanto o foi, no seu tempo, a invenção da imprensa.

As perspectivas que se abrem nos mais diversos campos do saber implicam um modelo educacional dinâmico. Precisamos estar abertos ao novo, ao interativo, e atentos a realidade que se transforma a cada momento. Não apenas a educação musical, mas qualquer área do saber humano deve estar atenta e acompanhar a evolução dos tempos, utilizando os melhores recursos e meios para potencializar a aprendizagem.

Estar preparado para o novo é nosso grande desafio. Não podemos deixar de lado uma formação sólida e da compreensão da nova realidade de transformação, onde o tradicional muitas vezes é relacionado como a mais avançada tecnologia, em busca de novas formas. Trata-se da interdisciplinaridade de áreas do saber, onde precisamos analisar as melhores práticas de nossos antepassados, trazendo algo novo para nossos tempos, contribuindo assim para que os alunos tenham experiência de aprendizagem nunca experimentada em outros tempos. A visão histórica, a experiência artística, a formação baseada nos princípios éticos e de consciência da cidadania, alinhados a toda mudança cultural e evolução trazida pelos computadores, serão o passaporte privilegiado para o futuro. Que tal sermos os motoristas desta viagem, ou prefere ser o passageiro?

  • Matéria escrita por Alan Cardoso publicada na Revista No Tom – Edição 33